Blog - Como os pais podem ajudar os filhos no retorno as aulas presencias? CEV Baby

CEV Baby

Blog

Como os pais podem ajudar os filhos no retorno as aulas presencias?

O cenário para o retorno presencial das aulas é bem diferente do que os pequenos estavam acostumados antes do isolamento social. O período de pandemia mudou a rotina de todas as famílias, trazendo muitos desafios, inclusive emocionalmente. A perspectiva do retorno às aulas presenciais é mais um momento que nos convida à reflexão e à preparação das crianças também em âmbito emocional. Algumas atitudes podem ajudar os pais no diálogo com as crianças sobre o retorno presencial das aulas. A primeira delas é lidar com as expectativas das crianças sobre o volta às aulas. Uma estratégia para trabalhar com as expectativas é dar vazão à imaginação. Algumas perguntas podem ser feitas para analisar quais os sentimentos e emoções predominantes no retorno à escola; Como você imagina que vai ser quando voltar para sua escola? Do que está com saudades? O que vai querer fazer quando estiver lá novamente? . Esse pode ser um exercício interessante, pois quando falamos, colocamos para fora alguns sentimentos que estamos experimentando naquele momento. Entretanto, se perceber que esse exercício pode desencadear ansiedade na criança, não precisa forçar, haverá outros momentos para que tais reflexões possam ocorrer naturalmente.

Quanto ao processo de retorno às atividades presenciais, os pais podem repassar com as crianças as orientações de saúde, higiene e segurança. Retome a explicação sobre a situação da pandemia, lembrando aos pequenos os motivos que levaram a pausa e de que agora é uma nova fase, que, apesar de melhor, ainda precisa de cuidados. Em vez da proibição “não pode abraçar o amigo”, “não pode trocar brinquedo”, reforce com as crianças o que pode ser feito, um estratégia é montar uma lista das possibilidades. Será importante perceber que haverá ainda algumas restrições de atividades, de contato físico, de aglomeração, que ainda serão necessárias, o que poderá causar frustrações. Nesse sentido, é importante que as crianças entendam a necessidade dessas medidas. Vale ressaltar que não é preciso suprimir as eventuais frustrações. É importante que elas sejam vividas, lamentadas, acolhidas e compreendidas.

Procure ouvir as dúvidas do seu filho e se não souber responder, diga que a pergunta é interessante e que vai falar com a escola em busca da resposta. Dessa forma, ela vai se sentir parte ativa e ainda terá a segurança de que a escola sabe como recebê-la.

Caso seu filho demonstre certo descontentamento com a ideia de voltar à rotina escolar e as aulas presenciais, experimente fazer o trajeto de casa até a escola para que ele volte a reconhecer o caminho e reveja onde fica o local em que estuda. Isso vai contribuir para que ele volte a enxergar esse caminho como normal e como parte do seu dia a dia. Esse sentimento é fundamental para um retorno tranquilo.

O acompanhamento de mães, pais e responsáveis será fundamental para que as crianças possam compreender o momento. Assim, a pergunta tradicional “como foi seu dia na escola?” pode não ser a melhor estratégia, pois acaba sendo uma pergunta um tanto vaga, onde nem sempre as crianças conseguem abstrair e responder adequadamente.

É importante lançar mão de perguntas mais objetivas, tais como: você aprendeu alguma coisa legal hoje? Conversou com a professora? Com qual dos seus amigos você conversou mais? Houve alguma novidade, alguma surpresa? Vocês leram algum texto, contaram alguma história, foram no parque, teve aula de matemática? Desse modo, incentivando o diálogo entre pais e filhos poderá se perceber como a experiência do retorno será vivenciada por eles.

O momento de retorno às aulas pode provocar dúvidas, angústias e dificuldades. Nesse sentido, é importante buscar o diálogo com a equipe escolar, troque impressões, percepções, questionamentos. Estamos vivendo um momento atípico, que pode trazer situações inusitadas. Escola e família podem juntos encontrar caminhos viáveis para superar, ou pelo menos lidar com as limitações de forma mais saudável.

 

Artigo feito pela psicóloga CEV Lígia Dantas – CRP 21/02473.