Blog - CONHEÇA: JOÃO HENRIQUE CEV Concursos

CEV Concursos

Blog

CONHEÇA: JOÃO HENRIQUE

Ele nasceu em 14 de outubro de 1973. É natural de Teresina e começou a lecionar bem cedo. Vê na sua família seu porto seguro, e a fonte da qual retira suas maiores doses de motivação para continuar crescendo. Tem um histórico de muito sucesso no universo dos concursos públicos, mas, ainda vislumbra mais conquistas importantes pela frente. Esse é João Henrique, professor do CEV Concursos.  

Ele começou dando aula de reforço para crianças do ensino fundamental, aos 16 anos. Aos 18, foi responsável por dar aulas de inglês numa conhecida escola de idiomas da capital, e, posteriormente, foi convidado a fazê-lo em escolas particulares. Quando se formou em Direito, começou a dar aulas em preparatórios para concursos e, simultaneamente, montou um escritório de advocacia. Nesse momento, surgiu um problema: “A quantidade de aulas, nos turnos manhã e tarde, fizeram com que eu tivesse que optar entre o escritório e a atividade de professor”, diz. Por sua vez, a solução para o dilema que se apresentou não tardou a chegar: “Em 2009 fui aprovado nos concursos do Ministério da Saúde (MS), do Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e do Instituto do Patrimônio Histórico e Cultural (IPHAN). Optei pelo do Ministério da Saúde, mas, antes passei dois meses trabalhando no MDIC, em Brasília. No Ministério da Saúde exerci as funções de Coordenador Geral de Serviços, Chefe de Administração do Núcleo do Piauí e, atualmente, estou Chefe da Gestão de Pessoas do Núcleo do Piauí. Após minhas aprovações nos concursos, consegui conciliar a profissão de professor e com a de servidor público”, pontua.

Em 2012 João foi chamado para ministrar a disciplina de Direito Administrativo, tendo que dar uma pausa na referida função em 2016 por ocasião da sua ida à Brasília visando o exercício do seu cargo de Coordenador Geral. Com efeito, até hoje ele ministra disciplinas referentes a Direito Administrativo (e correlatas), Estatuto do Servidor Público, Legislação do MP, dentre outras.

Assim, sua experiência de longa data com concursos públicos o fez enxergar alguns aspectos que são primordiais para aqueles que almejam as aprovações: “Acompanho a realização de concurso público desde a década de 90, quando ingressei na universidade (como candidato) e agora na década de 2000 como professor e candidato. O mundo dos concursos tem mudado muito, exigido cada vez mais dos candidatos dedicação, estudo e preparo físico. E quando falo em preparo físico não me refiro, por exemplo, ao Teste de Aptidão Física (TAF) dos concursos de polícia. O aluno tem que se preparar para estudar duas, quatro, seis horas por dia. E isso requer uma boa preparação física. O aprofundamento das disciplinas cobradas nos concursos é outro ponto que as Bancas vêm cobrando cada vez mais. Ou seja, atualmente, o aluno, para ser aprovado em concurso, precisa ter uma preparação global”, afirma.

Nesse contexto, o fato de ajudar a tantas pessoas na realização de alguns dos seus maiores sonhos sugere alguns momentos que fazem toda dedicação vivenciada nas salas de aula mais do que valer a pena: “Nem sempre agradamos a todos, mas, muitos alunos aprovados pelo Brasil passaram por minhas aulas e me dizem que sem elas tudo teria sido muito mais difícil. É gratificante ir às repartições públicas, algumas até fora do Piauí, entrar e ouvir um sonoro “PROFESSOR, o senhor por aqui? ”, e ouvir um agradecimento”, relata. Para ele, o professor é um mediador de informações, cabendo ao aluno o papel de protagonista nessa trajetória tão desafiadora rumo à concretização das metas estabelecidas: “Ser professor é ser, acima de tudo, um orientador, um educador que mostra para o aluno que, com dedicação, a aprovação é certa. A maior dificuldade, por vezes, é mostrar para o aluno que a aprovação depende mais dele do que do professor e do cursinho. Muitas vezes, o aluno deposita no cursinho todas as suas chances de passar no concurso, quando, na verdade, somos apenas uma ferramenta de aprovação”, assegura.

João quer mais. Embora já seja um vitorioso, sabe que não pode se acomodar, até mesmo porque sabe que a busca por novos horizontes é responsável por aprimorar não apenas seu lado profissional, mas, também, seu lado humano: “Acho que o ser humano é um ser, por natureza, insatisfeito. Isso faz com que a gente tente crescer sempre. A realização plena não deve existir, devemos sempre querer mais, pois isso nos torna um ser em constante evolução”, garante.

Para finalizar, João deixa um recado precioso para todos os concurseiros de plantão: “Estudo e disciplina são as palavras chaves para se conseguir tudo na vida, inclusive aprovação em concurso. Quem está iniciando, saiba que a dedicação para estudar e a disciplina para não parar são fundamentais. Nós do grupo CEV somos uma ferramenta, se souberem usar de forma correta, a aprovação será bem mais fácil. O CEV hoje lhe dá tudo que você precisa para ser aprovado, faça sua parte. Para os que já tentaram e não conseguiram, o segredo é ver onde erraram e corrigir o erro mais rápido possível. Sempre há vagas para todos os que estudam, se dedicam”, reitera.